Buscar
  • Denia Fonseca

O que eu iria dizer mesmo?



Quem nunca usou essa frase? Isso é um lapso de memória, muito comum a todos nós; em qualquer idade. Muitas pessoas idosas começam a se assustar ao apresentarem momentos de esquecimento, mas isso é normal? Com o passar dos anos, nosso cérebro passa essencialmente por três por mudanças fisiológicas. A primeira é a própria diminuição do fluxo sanguíneo do corpo para o cérebro que por sua vez fica menos irrigado e isso pode afetar a memória. A segunda são as hormonas, que restauram, protegem e estimulam o crescimento das células cerebrais, elas também diminuem com o tempo. A terceira mudança está no hipocampo, essa região em especial é responsável pela recuperação das memórias e também pode se deteriorar mais ou menos dependendo do caso. E agora? Temos uma sentença?

Assim como em várias áreas da saúde, a terceira idade se manifesta como uma colheita de uma vida. Se a pessoa teve uma atividade cerebral intensa, provavelmente estará mais preparada do que quem não estimulou o cérebro enquanto era jovem. Posso adiantar que existem diferenças entre as perdas de memórias pertinentes à idade e a doença de Alzheimer. Essa doença assusta muito e para mais informações consulte: Associação Portuguesa de Familiares e Doentes de Alzheimer que mostra uma matéria muito interessante sobre os sinais que devem ser observados em cada caso, qualquer anomalia, procure um médico.

A boa notícia é que, muito pode ser feito para se ter uma boa memória. Algumas atividades podem ser praticadas com esse intuito, para tanto, vamos dividi-las em categorias. Aprendizado, Jogos, Atividades sociais, Saúde e alimentação e Dimensão espíritual.

Categoria 1: O aprendizado


Aqui se concentram quase que infinitas possibilidades. Aprender uma língua, por exemplo, é fantástico para manter o cérebro em atividade. Hoje em dia existem muitos cursos, com didáticas e plataformas diversas o que nos leva a mais uma dica. Aprender com a tecnologia. Navegação em celulares, aplicativos, sites e até mesmo fazer algum curso de softwares... eis uma belíssima forma de se manter atualizado e com a mente bem ativa. Outra possibilidade é ensinar, sim, ensinar o que sabe, seja uma habilidade ou conhecimento; contar histórias, escrevê-las e registrar o passado são algumas opções. E não para por aí, que tal se tornar um expert em inovar em novos pratos e se destacar na culinária. Estamos falando não só de aprender, mas, de trabalhar bem as atividades motoras e sensoriais nos experimentos de cozinha. Cursos diversos online ou em associações locais de assuntos de interesses diversos que podem ir desde artesanato até aulas para formação e desenvolvimento de novas habilidades culturais e intelectuais. A leitura deve estar na prateleira número 1 do idoso, ler e contar o que aprendeu, fazer resumos e escrever artigos nas mídias sociais. O estudo de uma disciplina em especial é fantástico nessa idade: a história... é quase que como uma vocação natural e um chamado ao aprendizado. Contar histórias também é essencial ao idoso. A lista dessa categoria 1, como dito anteriormente, é quase infinita e deixo para a sua criatividade a busca de novos horizontes.

Categoria 2: Jogos


Podemos falar em jogos em casa e prática esportiva ao ar livre. Convenhamos que, desde a tenra idade, os jogos em casa desafiam e estimulam o cérebro, desde um jogo de cartas a um jogo de xadrez. Falando em especial desse último, o Xadrez, jogá-lo é similar a colocar o cérebro em uma academia, ele malha mesmo. Outros campeões para a memória são o SODOKU e a tradicional palavra cruzada, escolha o tema, o nível de dificuldade e comece. Importante destacar que, a palavra cruzada requer uma boa carga de informação contemporânea, o que estimula a leitura e a busca do conhecimento que nos remete ao tópico: aprendizado. Os jogos de carta também requerem o uso da memória e estratégia, bem como o dominó. Jogos de memória de imagens, também são superimportantes e existem nos mais diversos níveis. Termino essa quase que infindável categoria falando de um jogo muito simpático, não sei se podemos chamar de jogo, mas, o quebra-cabeças é algo extraordinário também à memória dos idosos, assim como nossa memória em um evento, por exemplo, o quebra cabeças é um conjunto de imagens que formam o todo.

Categoria 3: Atividades sociais


Em qualquer idade a relação social é importante. O idoso que não participa de atividades sociais acaba se isolando. Vamos então às possibilidades de atividades sociais. Primeira, a musicoterapia tem a capacidade de despertar paixões além de ser uma introspecção muito grande. Também é importante quando o idoso já toca algum instrumento musical. A leitura de partitura ativa magnificamente o cérebro e decorar uma música então nem se fala. Segunda: oficina de artes. Excelente para a expressão artística que ativam a criatividade no cérebro e são ótimas para interação social, pertencimento a um grupo e valorização dos seus talentos, incluímos aqui pinturas, desenhos, crochês.... Terceira: canto e dança. Cantar é celebrar a vida, é vibrar em sintonia com o universo. Quem canta seus males sempre espanta e além de tudo, encanta.

Categoria 4: Saúde e alimentação



Somente para constar que, além do que falamos até agora, é muito importante cuidar da alimentação. Mas quais alimentos ajudariam nossa atividade cerebral? Veja alguns alimentos que além de turbinar o cérebro, ajudam na memória, são eles: Brócolis, Espinafre, Abacate, Peixe, Nozes e castanhas, Suco de Uva, Chás e Azeite. Sobre a saúde, a consulta semestral a um médico para avaliar as condições do organismo é essencial à boa qualidade de vida do idoso.

Categoria 5: Dimensão espiritual


Não se trata diretamente de memória, mas de equilíbrio e da busca pela compreensão de certos desígnios da vida. Ter alguma religião significa estar religado ao criador. Significa ter a fé como mais um instrumento de bem-estar e de bem comum. É uma busca da plenitude da alma para que ela repouse na mente, nas lembranças e em todas as páginas do livro da vida.

Enfim, vamos terminar esse artigo com um convite a viver, sempre, independente da idade. Um convite à várias formas de viver bem, com vitalidade, com alegria, com destreza e com uma capacidade incrível de estar sempre melhor, seja jovem ou velho, a vida é um dom de Deus.


24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo